Trilogia Divergente

||
Livros:
            Trilogia Divergente
                        Divergente
                        Insurgente
                        Convergente
Autor: Veronica Roth
Editora: Rocco
Avaliação: ?

Antes que continue a leitura, gostaria de deixar claro que por mais que eu tenha tentando, não consegui manter os spoilers longe dessa crítica. E no caso, estou dizendo spoiler crítico. Então caso não goste de saber o final da trilogia antes de lê-la sugiro que não volte daqui. Peço desculpas por isso, mas realmente foi inevitável.






Primeiramente, sou preconceituosa para com distopias. Depois de Jogos Vorazes – que eu, aliás, nem tive coragem de ler os livros – ficou a impressão de que são todos parecidos e que acabarei chorando e me agarrando forte a alguma coisa pelas unhas (como a poltrona do cinema...). Mas então eis que a curiosidade toma conta de mim por tudo que falaram sobre a série Divergente e não por acaso “assaltei” a prateleira de uma amiga. Só não imaginei que os livros fossem voltar tão rápido para lá... Como geralmente faço, será um compilado mais dos sentimentos que o livro me passou do que dele em si. Eu odeio a sensação de vazio e tristeza que alguns livros trazem. Descobri que de fato, não sou boa com distopias. Essa frustração misturada a outros sentimentos amargos não foi feita para mim. No final das contas essa talvez seja a crítica mais real que eu já fiz, relevem o meu estado depressivo também. Prometo voltar menos sombria.


No começo é impossível largar o livro, se bem que o fato se prolonga até o último da trilogia. E o perigo mora ai, eu não deveria ter nem de longe de apegado e me envolvido tanto com os personagens, foi um grande erro.
Essa ideia de facções que não são tolerantes entre si e membros que só podem fazer uma escolha por toda a vida me parece um tanto forçada quando a analiso por mais tempo. Não sei como reagiria num mundo assim, se bem que ao nascer nele a visão seria diferente da de alguém de fora, como eu. Num sistema completamente autoritário e distorcido, alguém capaz de se opor ao soro e as simulações é um perigo. Maior perigo ainda é se a maioria deles vem de apenas uma facção. E outra delas parece ter percebido e resolveu que era hora de se dar um papel maior.
A Tris não me conquistou de cara, achei-a indecisa em alguns momentos, falsa e forçada, aos poucos, porém ela foi se encaixando no meu pensamento e ali ficou confortavelmente. Quatro/Tobias não precisou nem de um décimo desse tempo. Outros personagens também ganharam simpatia instantânea como Uriah e Will – outro erro –.
O primeiro livro não te prepara com tempo suficiente para o que está por vir, nem pelas mortes nem pelo desfecho.
O segundo é outra margem de mundo entre o abismo e pequenos momentos em que se é permitido esquecer por alguns segundos que o “mundo está acabando de novo”. O que eu geralmente procuro nos livros não importando de qual gênero ele é? Romance, e até isso Veronica foi capaz de me dar e me apaixonei junto com eles, eu já deveria ter aprendido a parar de cometer erros... Como estava enganada!
Em alguns momentos fatídicos eu não sei se ainda gosto da Tris, ela se desenvolve, amadurece, mas ainda comente erros e eles são perigosos. Ela é perigosa de modo geral. E isso assusta.  
O mais frustrante de tudo? Tris sobreviver a um soro mortal e acabar morta por um tiro, um tiro que nem era para ela. Não me importo se dessa forma ela mostrou o quão divergente poderia ser, que alcançou algo que abarca as cinco facções. Não achei justo com ela, Tobias ou mesmo com os leitores. Não era isso que esperávamos e não era o que queríamos – pelo menos e decididamente não eu –. Achei cruel dar esperança e depois arrancá-la sem qualquer piedade.
A sequência de capítulos da morte da Tris ao epilogo é uma sessão de dor constante. Acabei olhando para as páginas sem querer acreditar e de algum modo torcendo para que conseguisse apagar da minha mente e memória todas as anteriores, dos três livros.
Existe uma trama muito bem amarrada de segredos e intrigas. Veronica foi magistral ao orquestrar cada pensamento, cada gesto para o final da trilogia, os personagens envolvidos e o que os levou a isso é um plano especial e que merece uma analise bem detalhada, só que não consigo me ater a detalhes mais, não depois de ter acabo de ler.
Se eu gostei dos livros? SIM. Eu gostei de tudo, me apaixonei por cada detalhe. E é por isso que doeu tanto esse desfecho. Me deixou sem ar, sentindo cada batida dolorida do coração. Será que só eu me sinto perdida assim? É normal não é? Sei que mais de vocês já se sentiram assim... Por favor, digam que sim ou me sentirei anormal demais – quase sério isso –.
Por último, por que não há avaliação? Porque não sei se gosto ou desgosto dos livros. Eu daria 10 por um todo e daria 0 pelo final. Deixo então a avaliação a cargo de quem mais já leu, eu não fui capaz de me decidir.
Para quem eu recomendaria? Para as pessoas fortes, com nervos de aço ou que realmente não sintam tão fortemente o impacto dos acontecimentos.



Obs.: sei o quão pouco falei essencialmente dos livros, novamente, perdoem essa minha crítica torta. Não se repetirá!

10 comentários:

  1. Não li sua crítica porque quero muito ler os livros rsrs
    Apesar de não me importar muito com spoilers ;)
    Estou louca por essa trilogia, e fiquei mais fascinada nela depois que vi o trailer do filme, achei muito da hora hahah
    Você vai assistir ao filme?
    Beijos!
    http://aculpaedosleitores.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o trailer e foi por causa dele que eu fui ler hauahuhauah tirando alguns detalhes cruciais (tenso) fiquei apaixonada!
      Pretendo assistir o filme sim, mas talvez espere sair do cinema - falta de tempo imperando -

      ♛ Queen Reader agradece a sua visita ao Castelo!

      Excluir
  2. Oi Ana! também não gosto muito de distopias. E essa não é a primeira resenha que vejo leitores se decepcionarem com o final =/
    Mas como você destacou que o todo vale a leitura, talvez considere lê-lo em breve
    Beijos
    http://numrelicario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a maioria dos leitores não quer finais realistas, quer finais que os deixem felizes. Se eu leio um livro para ficar triste depois não será uma experiencia totalmente agradável...

      Se o ler, gostaria muito de saber o que achou!


      ♛ Queen Reader agradece a sua visita ao Castelo!

      Excluir
  3. Oi Ana, bom, posso começar falando que te entendo perfeitamente, as páginas seguintes após a morte de Tris me deixou sem acreditar no que estava acontecendo, e mesmo quando todos se reuniram para jogar as suas cinzas, ainda queria acreditar que ela não tinha morrido. Sim! Loucura, eu sei.
    Eu não esperava por esse final, mas também entendo a autora. Desde o princípio e principalmente após a morte de Will, percebi o quanto de realismo ela queria transmitir dentro do contexto das facções. Muitos lados saíram machucados e com perdas. Christina, Tris, Caleb, Zeke, e analisando depois do trauma inicial, Quatro apesar de todo o seu sofrimento de abuso familiar, continuava sem perdas profundas. então perde Tris. Cada personagem amadurece com os sofrimentos causados durante a guerra e sabemos que nela, todos os lados saem perdendo. Tudo se leva como aprendizado, no caso de Tris, acho que sua morte mostrou o porque de lutar e pelo que vale a pena morrer. Amor, se encontra nas duas partes.
    Mas foi justo com Tris? Não! Com toda a certeza, não. Mas como não podemos mudar o final, tentamos compreender o porque aconteceu.

    Quase fiz uma resenha aqui. kkkkk. Me descupe.

    Bjim!!!

    Tammy - Livreando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Primeiramente Tammy, sinta-se à vontade para escrever textos quanto quiser! Adorei a sua reflexão e acho que você descreveu meus sentimentos melhor do que eu.
      Entendi a ideia de dar todo o realisto possível e de proporcionar perdas reais a todos, mas POR QUE tinha que ser a Tris?

      ♛ Queen Reader agradece a sua visita ao Castelo!

      Excluir
  4. Confesso que li bem por cima, pois ainda não li o terceiro livro.
    Sou simplesmente apaixonada por Divergente, então sou suspeita para falar. Espero que o terceiro feche a série com chave de ouro! rs
    Beijos

    Li
    literalizandoosonhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando terminar a série quero ler a sua resenha Aline!
      Também gostei muito, só surtei no final mesmo!

      ♛ Queen Reader agradece a sua visita ao Castelo!

      Excluir
  5. Já li essa trilogia e gosto dela, mas não sou apaixonada como a maioria das pessoas, acredito que a qualidade da história foi diminuindo com o passar dos livros.

    http://www.whoisllara.com/

    ResponderExcluir
  6. Pra mim o melhor livro foi Divergente, e apesar de não ficar decepcionada com o final da série (eu já imaginava um final como aquele em convergente) eu ainda tinha uma centelha de esperança de estar errada. Bem...eu não estava.
    Realmente a série é muito boa e fica impossível largar o livro quando você começa, mas percebo que veronica roth pretende seguir os passos de Cassandra Clare e lançar livros infinitos sobre a mesma série. A prova disso são os novos ebooks lançados pela editora Rocco, contando a história de Quatro ou a versão dele da mesma história.
    http://perdidasnabiblioteca.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...