A Chama da Esperança

||



Livro: A Chama da Esperança - A Princesa Renegada (Parte 1)
Autora: M. V. Garcia
Editora: Arwen
Sinopse: UMA HISTÓRIA DE AMOR, GUERRA E ESPERANÇA. O mundo de Yuan sempre foi dividido entre humanos e feiticeiros. Medo, preconceito e inveja separaram estas duas raças. Há quinze anos atrás, durante a Grande Guerra de Willford, Kaira perdeu seu lar e sua família. Quando uma nova guerra se inicia, ela não faz ideia do que está por vir. Junto aos seus amigos, a jovem feiticeira deve cumprir uma difícil e importante missão: reunir os cinco clãs feiticeiros da nova República, em um único e poderoso exército.
Onde comprar
A Chama da Esperança - Facebook





Saudações nobres,

A Chama da Esperança não foi lido, foi devorado em um único dia e essa resenha apresentou-se um desafio em virtude o quão denso e vasto é o universo criado por Lady M. V. Garcia. Por mais que esse primeiro livro seja só o começo, fui teleportada para cidades, paisagens, culturas e indivíduos muito diferentes. Eu me perdi nos confins do: Por onde começar? Porque, obviamente se foi lido em 1 – UM – dia, não faltaram méritos.
Então sim, é complicado fazer com que tudo isso seja transmito a vós de forma satisfatória e ainda esconder toda a qualquer revelação do enredo que possa prejudicar a vossa leitura.
Agradeço a autora pela confiança e também por ter proporcionado uma verdadeira aventura. Por fim, não só hoje, mas especialmente hoje, desejo toda a sorte e sucesso do mundo à Lady M. no lançamento oficial do livro. Tenho certeza absoluta que a leitura de A Chama da Esperança o levará a uma viagem completa, por um mundo mágico que habilmente combina elementos medievais, lendas e tecnologias. Dê uma chance à Kaira, ela sem dúvidas vos conquistará. 



De nada adianta o conhecimento se não se tem o poder da escolha.



Respirei fundo, fechei os olhos e me imaginei em colinas, árvores altas e uma aldeia, depois senti a brisa fria e a neve salpicar o rosto... A descrição é palpável, não sentirás ser mero espectador, mas alguém capaz de tocar os personagens. É com essa sensação que desejo que leias essa crítica e que acima de tudo sinta-a. Espero profundamente ser capaz de levar a vós tudo isso.
Geralmente o medo do diferente transforma as pessoas: encontra abrigo no ódio e em ações extremas. É o caso da relação entre humanos e feiticeiros em Yuan, em especial no Reino de Willford, onde a entrada dos feiticeiros é proibida. 
Acontece que Albert, o herdeiro de Willford se encanta por Rosalia – com seus cabelos dourados e olhos vermelhos – uma feiticeira, e ignorando todo o preconceito a eleva a Rainha. A felicidade dura pouco e com a queda do Rei, a vida não apenas da Rainha como de sua filha e legítima herdeira corre risco. A guerra se instala e os feiticeiros são caçados impiedosamente, assim como os humanos. Mal se sabe, no entanto, quem está por trás disso, de quem é a mente doente que se diverte com o derramamento de sangue.
Durante a fuga, Rosalia executa o que muitos imaginariam impossível e sem que ela mesma saiba bem o que realiza, sela a maior ameaça à vida de sua filha e finda – temporariamente – a guerra.
Com o fim das ofensivas, e os feiticeiros expulsos das redondezas, os mesmos fundaram os próprios reinos, cada qual guardando as características das quais seriam conhecidos. 
Com a morte do Rei e o banimento dos feiticeiros – e caça à Rainha e sua filha – Willford passou às mãos de Elliot, primo ambicioso e sem escrúpulos do antigo rei. Leve em consideração que o trono não é seu por direito, uma vez que a jovem – bastarda – Yukiko, é a detentora desse direito, na falta de herdeiros legítimos de Albert. 
Os feiticeiros se espalham pelo reino, formando a República Unificada dos 5 Grandes Clãs Feiticeiros.

“Os feiticeiros de Fogo, considerados guerreiros caçadores e de modos simples, adaptaram-se logo à vida nas planícies, vivendo da caça aos monstros e fazendo pequenas plantações ao longo dos poucos córregos que ali havia. E ficaram por ali, formando pequenas vilas espalhadas pela planície e, bem no centro, construíram sua capital, Flameria. Os feiticeiros de Água eram conhecidos por serem muito pacíficos, e grandes adoradores da natureza. (...) Os grupos da Água migraram para o norte, onde encontraram as frias Montanhas Liore, belíssimo lugar com muitas florestas boreais, repletas de pinheiros e cachoeiras, onde fundaram sua capital, escondida entre a floresta, Prime d’ Acqua. Os feiticeiros da Terra também eram considerados de modos “rudes”, como os de Fogo, e não se demoraram muito em procurar um local ideal; se instalaram nos desertos de Rockaxe. Os feiticeiros do Trovão, mestres da tecnologia, procuraram um local onde pudessem se instalar que oferecesse diversos recursos naturais e matéria prima. (...) Por fim, ficaram perto do rio Armon, onde construíram a maior das cinco capitais e orgulho dos feiticeiros de Trovão, a gigantesca e futurística Aluminia. Apenas o paradeiro dos enigmáticos feiticeiros do Ar era incerto.”.

Os primeiros a nos saudar são os moradores de um determinado e pequeno vilarejo de feiticeiros do fogo. São simples, nobres. E então aquela garota de longas madeixas loiras toma nossa atenção, é basicamente uma criança no corpo de uma jovem de 15 anos – criança no sentido de simplesmente não demonstrar preocupações e ter aquele brilho no olhar que vai se perdendo aos poucos –. Kaira não faz ideia de quem realmente seja, nem do que a espera.
Mas logo o sacrifício de Rosalia começa a perder o efeito e a rede intrincada de intrigas reconstrói a guerra, levando a morte a humanos e feiticeiros. 
É então que segredos são revelados, lágrimas são derramadas e Kaira deve finalmente erguer-se, não apenas como a última esperança de cessar a guerra, mas como salvadora e unificadora dos povos. Kaira precisará ser forte, imponente e ao mesmo tempo doce e segura. A jovem empreenderá uma jordana longa, passando por todos os grandes clãs e deverá desempenhar um papel em cada um deles. 
Ela não sabe se será bem recebida e se acreditarão em sua história, mas o futuro depende disso. A vida de todos depende disso. É uma mistura de responsabilidades para as quais ela não está preparada, e para tanto, personagens importantes são colocados habilmente ao seu redor. E ai se encontra o grande trunfo da autora: a partir de uma personagem simplória e ingênua construir uma líder. Alguém que os guerreiros seguirão até a morte, mas também alguém capaz de nos surpreender com atitudes meigas e inesperadas. Kaira por si só é uma miscelânea das grandes heroínas com as quais estamos acostumados, com – a meu ver – um toque de Serena/Sailor Moon que é incrivelmente nostálgico.
Quando afirmei que apesar de ser o primeiro volume, não foram poupadas batalhas emocionantes, mortes marcantes e desespero por parte do leitor, não estava brincando. M. V. Garcia pega mente e coração dos leitores e os coloca ao lado de Kaira e seus companheiros, então sim, eu estive em todos os lugares, lutando ao lado deles. A descrição dos cenários, das planícies, da simplicidade à eletricidade e tecnologia, das peculiaridades de cada clã, do sadismo e maldade de alguns ao sacrifício e amor de outros... Tudo será encontrado em A Chama da Esperança e é isso que desejo que sintas e compreenda. Há muito a ser dito – apesar de eu pouco o poder fazer – mas há muito mais a ser sentido!

Chego ao final dessa crítica a sentindo vazia se comparada à riqueza do universo apresentado nesta obra. Mas creia-me, assim o é, pois não desejo revelar nenhum detalhe da trama que possa tirar a surpresa ao ler... Então, apenas acredite-me, e leia A Chama da Esperança! É o primeiro passo de uma heroína grandiosa, e sei que ela ainda nos guarda grandes feitos. 



Ps.: Garo é meu personagem preferido e torcerei por ele, mesmo que Kaira não saiba – ainda – pelo que eu estarei torcendo.

1 comentários:

  1. Nossa, que demora pra postar aqui!kkk. Já falei pelo face o quanto amei essa resenha, mas não custa vir aqui falar de novo, amei demais, fico muito feliz que tenha gostado tanto do livro! Muito obrigada pelo carinho! Bjs!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...