As vidas impossíveis de Greta Wells






Quem poderia imaginar? Por trás dos portões, as portas, a hera por onde só uma criança olharia. Como você sabe: é assim que a mágica funciona. Pega o menos relevante de nós , sem aviso, e na hora escolhida faz um truque com o tempo. E foi exatamente assim que, numa manhã de terça-feira, acordei em outro mundo.













Livro: As vidas impossíveis de Greta Wells
Autor: Andrew Sean Greer
Editora Jangada
Sinopse:
Durante um tratamento psiquiátrico após perder seu irmão e o rompimento de seu relacionamento, Greta Wells se vê transportada para vidas que poderia ter tido se tivesse nascido em épocas diferentes. Sua consciência se alterna entre seu próprio tempo e sua vida em 1918, em que trai o marido, e outra em 1941, em que é mãe e esposa devotada. As três vidas de Greta são repletas de tensões familiares e escolhas difíceis. Cada realidade tem suas perdas, recompensas e desafios. Será que são efeitos do tratamento ou ela realmente está vivendo essas vidas? E se Greta descobrir como permanecer em um dos outros mundos, em qual época ela vai querer ficar?
Skoob
Onde comprar



Saudações nobres,

As vidas impossíveis de Greta Wells é assustadoramente impactante. A visão de três Gretas diferentes, alternando-se ora em 1985, 1941 e 1918. Algumas sessões de tratamento e novos mundos para descobrir, novas versões de si e dos outros que por fora se pareciam, mas guardavam segredos diferentes, as mesmas e diferentes traições. Algumas coisas não mudam nunca

Durante as viagens, Greta se dá conta de que cada uma das suas versões age como bem entende, fazendo as escolhas, abrindo diálogos, tomando caminhos que não poderiam em suas próprias vidas. Só que elas voltam, é um relógio, e em determinado momento, cada uma volta para a sua vida. Mas, e se na última badalada, na sessão final, uma delas resolver que não quer voltar para a própria vida? Greta descobriu – a nossa Greta – descobriu como é ter o irmão de volta, traições, um marido que a ama e filhos. Tudo diferente do que imaginou para a sua vida. E ainda assim, é uma das suas vidas. Ela voltaria para 1985? Ela seria capaz de desatar tantos nós que foram feitos entre todas as idas e vindas das diferentes Gretas? Consertaria tudo que quebrou, por que, afinal de contas, ela já conhecia cada uma daquelas pessoas – ou assim imaginou –. 

Entre épocas diferentes, com cenários e hábitos tão diversos, o autor constrói cuidadosa e milimetricamente cada um dos espaços, com todos os detalhes que a mais exigente imaginação poderia pedir. Até os aromas estão ali, sons, sensações. Está tudo ali. E qualquer leitor mais sensível, será transportado com Greta para cada uma das suas estações. Sofrerá, ficará indignado, perplexo e então pensativo. Porque é isso que Greta trará, uma inundação de pensamentos e sensações mais ou menos agradáveis e sempre reais. Passei dias revivendo cada um dos momentos marcantes de Greta, sonhei com ela e revivi aquelas páginas com gosto. As vidas impossíveis de Greta Wells sem esforço se tornou um dos melhores livros que já li na vida, e com ausência total de modéstia, li mais livros que a maioria das pessoas comuns. Se pudesse, enfiaria esse livro nas soleiras de todas as portas e em todas as caixas de correio, porque ele deveria ser lido. Deveria ser lido por todas as pessoas, até aquelas que não tem o hábito de ler. 
Porque todo mundo sabe: que o impossível acontece pelo menos uma vez para cada um de nós. 
As reflexões levam tempo, a complexidade do que Greta se propõe é imensa, assim como sua ingenuidade em inferir o sentimento e personalidade dos outros. Ela procura muito o que perdeu nas outras versões que encontra pelas estações. Embora, assim como os mundos, as pessoas também mudam e a compreensão disso é longa e gradual. 

O desfecho é incrível. Greta escolhe, e não apenas ela: cada uma das Gretas escolhe e se adapta ao que a fizer mais feliz. E o final se encaixa. Cada uma em seu devido lugar. Vivendo a vida que escolheu, a vida que teve a opção de escolher. Não sei se seria uma surpresa, se o leitor for atento, provavelmente será capaz de prever o que está por vir. E apesar de todos os meus esforços, de todas as anotações, de todas as páginas revistas: eu me surpreendi. E me apaixonei por essa construção impecável e grandiosa – mesmo com poucas páginas –. Acredito que tenha me envolvido demais com a trama e esteja entusiasmada demais, mas acredite. Por favor, acredite na qualidade da obra e leia o quanto antes. 

Por que é impossível ser mulher? Os homens nunca vão entende, homens que são sempre eles mesmos, dia após dia, declarando em altas vozes suas opiniões, bêbedo livremente, flertando, se prostituindo e chorando e sendo perdoados por tudo. Quando uma mulher foi perdoado? Consegue imaginar isso? Porque eu vi o plano para ela receber perdão, e em nenhum lugar dele a mulher está traçando sua vida como sempre sonhou. Sempre há limites, regras, perguntas – não prefere voltar para casa, mocinha? – que quebram o feitiço de viver. Que fantasia maravilhosa viver dentro daquele feitiço, o encantamento de falar o que se tem na mente e realizar a própria vontade, e acordar na cama de sua escolha. Digo isso simplesmente como uma mulher sacudindo as barras da prisão para ser livre. E o que quero dizer com livre? Apenas caminhar pela rua. Só comprar um jornal sem um simples olhar decidindo onde me encaixar. Megera, esposa ou prostituta. Essas pareciam ser minhas escolhas. Pergunto a qualquer homem que esteja lendo isto, como conseguiria decidir se seria vilão, trabalhador ou passatempo? Um homem se recusaria a escolher; um homem teria esse direito. Mas eu tinha que escolher apenas entre palavras, e qual delas significava felicidade? Tudo o que eu queria era amor. Uma coisa simples, uma coisa atemporal. Quando os homens querem amor, eles cantam para consegui-lo, ou sorriem ou pagam por isso. E as mulheres, o que fazem? Escolhem. Então, me digam, senhores, me digam quando e onde foi fácil ser mulher?

Leve este post a outro reino:

2 comentários:

  1. Parece ser bem interessante :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações Lady Monyque,
      Sim, o livro é ótimo! Gostaria, de realmente, distribui-lo de porta em porta. Espero que consigas lê-lo e sentir o mesmo que a Rainha.

      A Rainha agradece a vossa visita!
      Demore o quanto quiser, serás sempre bem-vinda.
      Att
      Ana P. Maia ♛

      Excluir